Esta casta só sai com oração e jejum 4

Jesus disse que há castas de espíritos que só saem daqueles que eles possuem mediante a pratica do jejum e da oração.

Ora, esta declaração cria muitos problemas quando se a lê a partir de qualquer que seja a compreensão doutrinária.

Lendo isso, Pentecostais e seus parentes jejuam com a certeza de que o poder está na abstinência de água e comida — jejum —; acompanhados de oração pelo oprimido ou endemoninhado. Nesse caso, o poder é do jejum.

Também lendo isto os Reformados ficam agitados, pois, segundo a doutrina da Graça Soberana de Deus não haveria razão para jejuar, já que o poder não procede de nenhuma mecânica humana ou humanamente ativada como poder. Nesse caso o jejum é o problema; pois, supostamente, estaria tirando o poder da Graça invisível e transferindo-o para algo que facilmente viraria fetiche e paganismo.

Os Católicos por seu turno, lêem o que Jesus disse e dizem: “Oba! O rito tem poder!” No caso deles o poder está no rito.

Já os que fazem uma leitura mais leve e psicológica do texto de Jesus tendem a pensar que Jesus estava apenas dizendo que em meio àquela confusão toda — gente observando, discípulos brigando, um pai gritando; e Pedro, Tiago e João vindos da Transfiguração meio surtados de grandeza — não era possível ter concentração para tratar aquele caso. Nesse caso, o poder que o jejum daria seria o do foco e da concentração.

Ora, olhando para o que estava acontecendo, não tenho como dizer o que Jesus queria dizer além do que Ele disse.

Então, como vejo este texto?

Vejo-o sem problemas. Sim! Porque tudo o que leio no Evangelho não é para mim objeto de nenhuma tentativa de criar uma lógica sistêmica e doutrinária sobre qualquer coisa.

Para mim, em certas circunstâncias, havendo renitência por parte de um espírito imundo, eu jejuo, como já o fiz dezenas de vezes na vida.

Isso mesmo; sempre, em tais casos, jejuei sem nenhum conflito teológico e doutrinário!

Alguém pode ver um discípulo de Jesus (nos evangelhos) querendo saber como conciliar aquela declaração de Jesus com qualquer que fosse o pacote doutrinário?

Ora, para os discípulos que ouviram aquilo, a única coisa que ficou foi o que Jesus disse: Se o demônio mostrar renitência em deixar a sua vítima, jejuem.

Assim, não desejaram saber como ficava a “Graça”, a “Soberania”, o “poder absoluto do nome de Jesus”; ou mesmo como ficaria, diante de tal fato da renitência de demônios ao nome de Jesus, a doutrina da vitória da Cruz sobre todo principado e poder.

Tudo bobagem inventada do 4º Século em diante!

Os discípulos não eram filhos do “Cristianismo” (como nós); e nem foram doutrinados pelos teólogos patrocinados por Constantino; e, dele para frente, doutrinados pelos “pais” do saber de Deus na “Igreja”.

Não! Os discípulos eram apenas gente simples.

Para eles Jesus era o poder; e, uma vez que eles mandassem um demônio sair em nome de Jesus, esperavam que saísse; porém, não tendo sido assim naquele caso, ficaram perplexos ante a impotência constatada.

Quando Jesus chegou do Monte da Transfiguração e repreendeu o demônio e este deixou sua vítima, ao acrescentar após isso que os discípulos não puderam expulsar o demônio por sua falta de fé, e que em razão disso deveriam sempre jejuar e orar — eles não “teologizaram”, mas apenas aprenderam que em tais casos assim se deve fazer.

Para eles tudo era Graça de Deus. Inclusive orar e jejuar a fim de expulsarem um demônio insistente. Eles simplesmente não tinham nenhuma de nossas tolas e presunçosas questões. Jesus era o Senhor e o Mestre, o Filho do amor de Deus, o Messias, Aquele de Quem o Pai dava testemunho; e, para eles, isso bastava.

Além disso, criam que o jejum e a oração eram um meio de Graça.

Sim! O poder era de Jesus; e, ante Jesus, nenhum demônio ficou renitente; mas, como eles não eram Jesus, sua mente e coração deveriam estar alinhados na fé e na consciência, a fim de que aquilo que era poder e meio de Graça sobre eles (o nome de Jesus), não tivesse seu poder limitado pela falta de fé ou pelo medo deles.

Portanto, quando ouviram Jesus dizer o que disse, certamente eles não pensaram na força daquele demônio insistente, mas na sua própria fraqueza e falta de fé.

Assim, não transferiram o problema para os demônios, e nem buscaram uma conciliação teológica a fim de jejuarem de modo doutrinariamente sadio no intuito de expulsarem o demônio.

Não! Aquilo lhes veio como sendo para eles. Sim! Aquilo lhes veio como instrução de verdade e de sabedoria da parte Daquele que sabe o que diz; e, portanto, para eles era assim que deveria ser; e não algo a ser discutido.

Desse modo, quando Jesus disse que certas castas de demônios não saem se não por meio da oração e do jejum, os discípulos simplesmente pensarem em si mesmos, em como seus corações tinham aprendido o rito de dizer “sai em nome de Jesus” (“… pelo teu nome os espíritos se nos submetem..”) — mas, assim mesmo, continuavam sem fé ante qualquer que fosse a renitência.

Mais tarde, muitos anos depois, Tiago, o irmão de Jesus, ao escrever a sua epistola, disse: “Resisti ao diabo e ele fugirá de vós”. Ora, esta frase de Tiago é o equivalente a “esta casta não sai se não por meio de jejum e oração”.

Jejuar e orar é resistir ao diabo até que ele fuja!

Além disso, em tais casos, jejuar e orar é o meio de Graça pelo qual o discípulo foca sua fé em Quem tem o poder; deixando, assim, pelo jejum e pela oração, as distrações que diluem a fé longe de suas mentes.

Tendo ainda caminhões a dizer, mas entendendo o limite dessa comunicação, apenas concluo afirmando que a instrução para jejuar e orar ante a resistência do mal, é algo que não deveria causar nenhuma pergunta; pois, ante o mal, o que o coração sabe que deve ser feito é tudo aquilo que signifique perseverança na verdade e no que é bom.

Assim, Ele disse: Ante a renitência do mal, não tenham medo; jejuem e orem; resistam o mal com fé; e, assim, ele fugirá de vós.

Alguma dúvida?

Nele, que disse o que disse, e o que disse é,

Caio

21/06/07

Lago Norte

Brasília
www.caiofabio.net

4 thoughts on “Esta casta só sai com oração e jejum

  1. Reply carmen fev 23, 2010 10:46

    Olá, lí e concordo que a fé têm que ser assim Jesus falou e eu confio, pois ele sempre sabe o que disse. Já passei por isso fue uma luta demorada, solitaria e triste, e fui guiada pelo E.S A fazer do Senhor meu pastor Salmo 23… e obedecendo o que o Sr Jesus disse essa casta só pode sair com oração e jejum, mas quero opinar dizendo que por experiencia propria entendi que quem deve orar e jejuar é a pessoa que está sendo oprimida ou possessa, pois se alguiém está com uma forte colica de rins, por exemplo será que se a pessoa que a cuida tomar o remedio o doente sarará? penso que todo crente deve orar e jejuar, mas neste caso o jejum diz respeito a pessoa que busca ficar livre de uma possessão, ou um espinho na carne
    querendo pode me escrever. chaito

  2. Reply anderson mai 27, 2010 21:18

    Meu parecer
    Jesus está fazendo um convite a intimidade,
    não entendo que Jesus tenha dito que oração e jejum fosse um tipo de ferramenta,para quando eu necessitasse,abriria minha caixa e de utilidades e fazia uso dos recursos disponíveis nela.
    Jesus não tinha orando,e nem jejuado no momento,porque?
    Jesus vivenciava uma vida de oração e jejum constantes,
    entendo que a oração e o jejum não são instrumentos,mas sim elementos de uma espiritualidade,baseada no relacionamento com Deus e submissão a Ele.
    concluo que Jesus chama os discípulos a um maior relacionamento com Deus,onde a oração e o jejum fossem o meio de comunicação do homem a Deus.

  3. Reply Roberto Menezes fev 14, 2013 12:51

    Graça e Paz querido Pr. Caio Fábio!
    Sou um de seus admiradores, mas discordo em partes do seu texto quanto ao jejum… Em seu texto diz o seguinte:
    1º – Ora, olhando para o que estava acontecendo, não tenho como dizer o que Jesus queria dizer além do que Ele disse.
    – AMÉM pastor!
    E você continua: Então, como vejo este texto?
    Vejo-o sem problemas. Sim! Porque tudo o que leio no Evangelho não é para mim objeto de nenhuma tentativa de criar uma lógica sistêmica e doutrinária sobre qualquer coisa.
    Glórias a Deus! AMÉM estou dentro!!
    – Para mim, em certas circunstâncias, havendo renitência por parte de um espírito imundo, eu jejuo, como já o fiz dezenas de vezes na vida.
    – Ora, para os discípulos que ouviram aquilo, a única coisa que ficou foi o que Jesus disse: Se o demônio mostrar renitência em deixar a sua vítima, jejuem.
    Roberto Menezes – Querido pastor, sinceramente não vejo por esse ângulo, primeiro porque a palavra nos ensina lá em Lucas 18.1 relata: “Disse-lhes Jesus uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer”. A parábola é a do Juiz Iníquo;
    Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca.Mateus 26:41

    Olhai, vigiai e orai; porque não sabeis quando chegará o tempo.Marcos 13:33

    O Senhor Jesus nos manda orar e vigiar sem cessar… Para quê? Para estarmos preparados de qualquer ataque do inimigo!
    E não consigo achar suas palavras nos evangelhos, o que leio nesse momento é o seguinte:
    Mateus 6:16 e 17 v.16 E, quando jejuardes, não vos mostreis contristados (O que é contristar? – segundo o dicionário Aurélio : v.t. Causar tristeza a; entristecer, afligir, mortificar: contristar os pais…. Ou seja, deixar os pais tristes – Minha opinião: Se mostrar triste as pessoas porque estou jejuando) como os hipócritas; porque desfiguram os seus rostos, (no dicionário da língua Portuguesa o significado de Desfigurado é: adj (part de desfigurar) 1 Que se desfigurou; alterado, deturpado. 2 Demudado de feições, para pior; transtornado. Minha opinião: Fica de um jeito que todos o acham coitadinho, está jejuando…) para que aos homens pareça que jejuam. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.
    Agora desejo que medite bem no v.17 – Tu, porém, quando jejuares, unge a tua cabeça, (O ato de Ungir a Cabeça – O derramamento de óleo, a aplicação de óleo sobre a cabeça de um homem indicava que este homem havia sido separado para uma determinada tarefa a serviço do Senhor. Conforme I Samuel 10:1 – “Então tomou Samuel um vaso de azeite, e lho derramou sobre a cabeça, e beijou-o, e disse: Porventura não te ungiu o SENHOR por capitão sobre a sua herança?”
    Salmo 23:5 – “Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda.”
    Eclesiastes 9:8 – “Em todo o tempo sejam alvas as tuas roupas, e nunca falte o óleo sobre a tua cabeça.” e lava o teu rosto, ou seja, esteja bem aparentado… Alegre! Feliz!)
    v.18 – Para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu Pai (aqui no texto de Mateus, não diz que é para fazer o jejum em secreto, mas para estarmos felizes em jejuar e nos apresentarmos ao nosso Pai que está em secreto, que está invisível mais real), que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente ( Ou seja, porque Deus O nosso Pai Eterno, além de Onipotente, Ele também é um Deus Onisciente e Onipresente, Ele é infinitamente mais! Ele é PODEROSO DEUS! Sabe tudo e tudo vê, Ele nos recompensa! A resposta vem, os demônios saem, não há forças demoníacas para nos tentar ao pecado seja ele qual for.
    Querido, o que eu estou notando aqui, é que O Senhor Jesus nos manda está preparados! Seus discípulos não estavam preparados…

    O senhor diz o seguinte em seu outro texto… Lendo isso, Pentecostais e seus parentes jejuam com a certeza de que o poder está na abstinência de água e comida — jejum —; acompanhados de oração pelo oprimido ou endemoninhado. Nesse caso, o poder é do jejum.

    Discordo no que o senhor diz, quando fala que nesse caso (No caso dos irmão.) o poder é do jejum… Não! Claro que não! Não existe esse pensamento em hipótese alguma, só se o senhor pensava assim em outras épocas, o senhor deveras pensava assim e não os demais irmãos… Não sou pentecostal, nem sigo denominações, EU SOU DE CRISTO! Nós cremos no SENHOR JESUS! Só que Ele nos da o caminho para estarmos na Sua presença! Creio que, por não orar e jejuar, é que muitos caíram na prostituição e outros pecados… Inclusive muitos pastores renomados caíram…
    Mas no Evangelho de Marcos 9:15-29 diz o seguinte:
    E logo toda a multidão, vendo-o, ficou espantada e, correndo para ele, o saudaram.
    E perguntou aos escribas: Que é que discutis com eles?
    E um da multidão, respondendo, disse: Mestre, trouxe-te o meu filho, que tem um espírito mudo;
    E este, onde quer que o apanha, despedaça-o, e ele espuma, e range os dentes, e vai definhando; e eu disse aos teus discípulos que o expulsassem, e não puderam.
    E ele, respondendo-lhes, disse: O geração incrédula! até quando estarei convosco? até quando vos sofrerei ainda? Trazei-mo.
    E trouxeram-lho; e quando ele o viu, logo o espírito o agitou com violência, e, caindo o endemoninhado por terra, revolvia-se, escumando.
    E perguntou ao pai dele: Quanto tempo há que lhe sucede isto? E ele disse-lhe: Desde a infância.
    E muitas vezes o tem lançado no fogo, e na água, para o destruir; mas, se tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós, e ajuda-nos.
    E Jesus disse-lhe: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê.
    E logo o pai do menino, clamando, com lágrimas, disse: Eu creio, Senhor! Ajuda a minha incredulidade.
    E Jesus, vendo que a multidão concorria, repreendeu o espírito imundo, dizendo-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: Sai dele, e não entres mais nele.
    E ele, clamando, e agitando-o com violência, saiu; e ficou o menino como morto, de tal maneira que muitos diziam que estava morto.
    Mas Jesus, tomando-o pela mão, o ergueu, e ele se levantou.
    E, quando entrou em casa, os seus discípulos lhe perguntaram à parte: Por que o não pudemos nós expulsar?
    E disse-lhes: Esta casta não pode sair com coisa alguma, a não ser com oração e jejum. Oh Glórias!
    Então pastor, oro para que o senhor reconheça seus erros, e volte para os braços do Senhor Deus!
    – Peço a Deus para que o senhor pastor, não cometa os mesmos erros do rei Saul… E se assim for, que Ele, O Senhor Jesus possa aparecer ao senhor como apareceu ao Apóstolo Paulo com poder, com as mesmas palavras que disse ao Apóstolo Paulo, quando disse: “Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões” (At. 9.5) para que o senhor possa voltar a praticar as primeiras… Que O Senhor te abençoe e te guarde, que Ele tenha misericórdia de ti e te dê a paz….

    Roberto Menezes

  4. Reply Roberto Menezes fev 14, 2013 13:08

    - Se é para jejuarmos quando enfrentamos certos demônios, então o pai do menino endemoniado teria que esperar os discípulos jejuarem para depois, vê seu filho livre daqueles espíritos?

    – Quer dizer que só vamos jejuar quando enfrentarmos um demônio? Os espíritos do mal vão nos dizer: Olha se prepare que vou atormentar fulano… Quando Jesus diz: Que essa casta não sai a não com jejum e oração, Ele diz em outras palavras: Vocês não os expulsaram porque vocês estavam despreparados!

    Roberto Menezes

Leave a Reply